top of page

Drenagem linfática na Naturopatia

A técnica de drenagem linfática foi publicada em Paris em 1936, por Emil Vodder.

Nas últimas 8 décadas, várias contribuições foram acrescentadas, mas sua essência foi mantida.

Trata-se de um método de massagem corporal ou facial, específico, feito com pressões, lentas, sutis, ritimadas e relaxantes. Portanto, drenagem nunca deixa manchas roxas na pele. Quando isso ocorre, é o uso de uma outra técnica, passível de discussão inclusive, mas que não é drenagem linfática.

Além das pressões e descompressões com os dedos ou com as mãos, dependendo da região do corpo, os gânglios também são trabalhados, como inguinal (virilhas), axilar, poplíteo (joelho) e cervical (pescoço).

Uma drenagem linfática mal realizada pode promover efeito inverso, agravando o problema a ser tratado.

A principal finalidade é mobilizar a corrente de líquidos que está dentro dos vasos linfáticos (coletores) para evitar a retenção de líquidos no organismo, melhorar a circulação sanguínea e eliminar ocasionais dores no corpo.

A drenagem linfática manual ativa trocas metabólicas e circulatórias, proporcionando harmonia estética do corpo, promovendo a hidratação da pele, desobstrução, eliminação de detritos de orifícios cutâneos (pele) e liberação das toxinas.

Indicações na Naturopatia:

Comentários


bottom of page